© 2018 Manual da Vida. Todos os direitos reservados.

  • Facebook B&W

Sou eu, ou é meu transtorno bipolar? Distinguindo-me do meu transtorno de humor

Depois que aprendi como o bipolar afeta os temperamentos e o comportamento, comecei a perceber que talvez não fosse uma extrovertida enérgica e motivada. Talvez eu tenha sido hipomaníaca por grande parte da minha vida?

"Seja você mesmo…"

"Seja você mesmo." Esse é um conselho universal. Esteja você se candidatando a um emprego ou indo para um primeiro encontro, é algo que todos ouvimos uma vez ou outra. Quando todos podem ver o verdadeiro você, os relacionamentos que você constrói são autênticos. Mas como tenho transtorno bipolar, às vezes tenho dificuldade em seguir este conselho…. "Ser eu mesmo? OK ... mas quem sou realmente?


Transtorno Bipolar é um distúrbio de humor. As pessoas que sofrem desta doença podem parecer estar de bom ou mau humor. Esses altos e baixos são geralmente muito fáceis de detectar, especialmente quando estão fora do intervalo típico de emoções para alguém normal. Mas e os humores que duram muito tempo? Para mim, esses podem começar a parecer mais traços de personalidade inerentes.


Vivendo na hipomania?

Quando eu tinha 24 anos, fui diagnosticada com transtorno bipolar II. Eu sempre fui sociável. Eu sempre preferi estar perto de outras pessoas do que ficar em casa sozinha. Eu não poderia ter sido hipomaníaca quase toda minha vida até aquele momento, poderia? Isso era a bipolaridade ou era eu?


Depois que aprendi como essa doença afeta o humor e o comportamento, comecei a perceber que talvez não fosse apenas uma extrovertida motivada. Talvez eu tenha sido hipomaníaca por grande parte da minha vida. O que parecia minha personalidade era pelo menos em parte devido a um desequilíbrio químico no meu cérebro. Foi só quando fui diagnosticada que percebi que muitos dos meus humores e comportamentos não eram necessariamente "eu". Eles eram resultado da doença mental.


O Transtorno bipolar II - que é caracterizado por depressão e hipomania (versus mania total) pode ser difícil de reconhecer, porque a hipomania pode ser sutil. Eu sempre pareci alguém com muitos amigos e toneladas de energia. Mas também é assim que a hipomania se parece. No entanto, também é isso que é extrovertido. Às vezes é difícil separar meu verdadeiro eu de todos esses rótulos.


Para aqueles de nós com transtorno bipolar, adivinhar sua verdadeira natureza vem com o território imenso a ser explorado.


A retrospectiva é 50/50

Agora que estou mais velha e em recuperação, sou mais capaz de reconhecer meu verdadeiro eu sob essa doença.

Eu sou realmente extrovertida, mas mais centrada. Sou uma mulher inspirada e motivada que persegue seus objetivos.

Mas agora que meu humor está regulado, não estou fazendo coisas destrutivas, como comprar de forma desenfreada, beber demais ou possivelmente pegar uma DST devido à minha promiscuidade (que não tenho mais).

Se você me perguntar: se eu pudesse me livrar do meu transtorno bipolar, faria? Minha resposta é, não!

Conhecer os mecanismos da bipolaridade me permitiu chegar aonde estou agora - Com meu próprio negócio e construindo o que sempre sonhei.

É o meu passado que me faz ter orgulho do que sou hoje!

Reconheço que tenho um transtorno de humor ao longo da vida que precisa de cuidados contínuos, como diabetes ou pressão alta. Eu tento manter as coisas em perspectiva, uma rotina controlada e foco nos meus objetivos, mesmo sabendo que o esforço que faço hoje é sem dúvidas muito maior que uma pessoa sem esse transtorno.

14 visualizações